Como o Spotify migrou todo seu data center para o Google Cloud

"E o que as empresas podem aprender com isso; Migração foi complexa, mas agora desenvolvedores têm mais liberdade e maior escala."

O Spotify iniciou a utilização da Google Cloud Platform (GCP) em 2016, com investimentos de US$ 450 milhões em três anos. Para o Google, a plataforma de streaming de músicas tornou-se um cliente referência, não apenas pela sua marca e escala, mas também pela reputação como uma empresa centrada em engenharia e orientada por dados.

O Spotify, desde então, fechou ambos os data centers instalados nos EUA e estará livre de infraestrutura on-premise até o final do ano, após uma migração complexa.

Por que migrar?

Ramon van Alteren, diretor de engenharia do Spotify, comenta que, se pensar na quantidade de esforço necessário para manter a capacidade de computação, em armazenamento e rede de uma empresa global que atende a mais de 170 milhões de usuários, isso é uma quantidade considerável de trabalho.

Além de evitar que desenvolvedores se preocupem com provisionamento e manutenção de infraestrutura, a empresa também queria aproveitar algumas das inovações do Google Cloud, especificamente o data warehouse em nuvem BigQuery, Pub/Sub para envio de mensagens, além da ferramenta DataFlow para processamento em lote e streaming.

Migração de serviços: passo a passo

O plano de migração atual foi formulado em 2015 e dividido em duas partes: serviços e dados. A migração de serviços se concentrou na transferência de quase 1,2 mil microsserviços de data centers para o Google Cloud Platform.

Os três principais objetivos durante a migração, de acordo com van Alteren, foram minimizar a interrupção do desenvolvimento do produto, terminar o mais rápido possível para evitar o custo e a complexidade da execução em um ambiente híbrido, além de garantir que o Spotify não tivesse nenhum serviço executando em seus data centers.

Uma das primeiras ações que as empresas fizeram foi construir uma pequena equipe de migração de engenheiros e criar uma visualização real time de todo o estado de migração para que os engenheiros pudessem se assistir para ver o andamento do projeto.

Essa visualização parece um conjunto de bolhas vermelhas (data center) e verdes (Google Cloud), com cada bolha representando um sistema e o tamanho da bolha representando o número de máquinas envolvidas.

A migração de serviços começou com as dependências de mapeamento, já que a arquitetura no Spotify significa que cada microsserviço depende de 10 a 15 pessoas para atender uma solicitação do cliente. Isso significa que uma migração “big bang”, em que tudo para, não era uma opção, pois os clientes esperam um tempo de atividade constante do serviço.

Em vez disso, as equipes de engenharia do Spotify receberam a tarefa de transferir seus serviços para a nuvem em um sprint de duas semanas, período em que pararam efetivamente qualquer desenvolvimento de produto. Isso também permitiu que essas equipes começassem a avaliar sua arquitetura e desativassem qualquer coisa desnecessária.

Uma coisa que o Google Cloud fez especificamente para o Spotify durante a migração é a opção Virtual Private Cloud (VPC). “Isso permite que você construa de forma semelhante a uma rede interna que conecta vários projetos e eles podem cruzar conversas”, disse van Alteren.

Isso permite às equipes terem um bom controle de suas demandas e, com isso, elas conseguem fazer o que precisam e, se algo dá errado, é somente no setor, e não em toda a empresa.

Uma vez que a migração estava em fluxo total, a equipe de migração central começou a induzir secretamente falhas nesses sistemas de nuvem, registrando como as equipes reagiram na nova arquitetura.

“Isso ajudou a garantir que os sistemas de monitoramento fossem adequadamente estendidos para a nova implementação na nuvem, se uma equipe não percebesse, Finalmente, tivemos esta cartilha em que eles poderiam começar a usar os modos de falha na nuvem que talvez não tivessem no passado”, explica Peter Mark Verwoerd, arquiteto de soluções do Google.

Em maio de 2017, cada sprint de migração foi concluído e o tráfego estava sendo encaminhado para o Google Cloud. Então, em dezembro de 2017, o Spotify atingiu 100% dos usuários e já havia fechado o primeiro dos quatro data centers. Desde então, o segundo data center foi fechado e os dois últimos, ambos na Europa, serão encerrados até o final deste ano.

Migração de dados

Devido a um gráfico de dependência altamente complexo, foi um desafio mover 20 mil tarefas diárias de dados para o GCP sem causar falhas no fluxo, de acordo com Josh Baer, ​​gerente sênior de produtos para a infraestrutura de machine learning do Spotify.

O Spotify começou avaliando a possibilidade de uma migração ‘big bang’. Porém, mesmo com um link de rede de 160 gigabits por segundo, seriam necessários dois meses para copiar os dados do cluster do Hadoop para a infraestrutura do Google. “Nós não seríamos um grande negócio se estivéssemos perdidos por dois meses”, acrescentou ele.

A melhor estratégia, então, foi copiar os dados. “À medida que você transfere seu trabalho para o GCP, você copia suas dependências e, em seguida, pode transportar seu trabalho”, explicou. “Então, se você tem consumidores downstream, talvez tenha que copiar a saída do seu trabalho de volta ao nosso cluster local para que eles não sejam quebrados. Como a maior parte da migração de dados durou de seis a 12 meses, estávamos executando muitos desses empregos para preencher lacunas em nossa árvore de dependência.

Lições aprendidas

Max Charas, engenheiro de nuvem do Google, alerta: “essa estratégia de migração é muito personalizada para o Spotify, então, quem quiser fazer algo assim, pode parecer muito diferente.”

A empresa aprendeu algumas lições importantes com a migração. A primeira delas foi a preparação. “Nós nos preparamos provavelmente dois anos antes da migração e cada migração levou cerca de um ano. Tentamos criar um caso de uso mínimo para mostrar os benefícios da mudança para o GCP, mas isso não poderia ser uma coisa pequena para mostrar a verdadeira valor”, diz Charas.

Em segundo lugar foi o foco. Para Van Alteren, é realmente incrível o que pode ser feito com uma equipe de engenheiros focada em uma única coisa. Isso também ajudará os parceiros de negócios, que ficam mais felizes com um curto período de tempo sem desenvolvimento de produto em vez de um longo período de tempo.

A terceira foi a construção de uma equipe de migração dedicada para atuar como proteção para ajudá-los a saber o que precisam, transmitir experiências e aprendizados passados ​​e apenas os recursos de que precisam.

A última foi “sair do híbrido o mais rápido possível – todos esses trabalhos de cópia são caros e complexos”, disse Baer.

Resultados

Com a migração, os desenvolvedores estão com mais liberdade e maior escala, sem sacrificar a qualidade do serviço. “Qualidade de serviço é algo que medimos diligentemente e não houve degradação”, disse Van Alteren. “Os benefícios incluem nosso canal de entrega de eventos, que carrega os pagamentos de royalties para detentores de direitos. Quando mudamos para a nuvem, o pipeline transportava no pico de 800 mil eventos por segundo e agora carregam três milhões por segundo”, finaliza.

serviços de migração de dados

 

 

http://idgnow.com.br/ti-corporativa/2018/08/01/como-o-spotify-migrou-todo-seu-data-center-para-o-google-cloud/

Escrever um comentário (0 Comentários)

Generalista ou especialista? Kubrick parece ter a resposta.

Stanley Kubrick

Que tipo de executivo contratar: Generalista ou Especialista?

Se estivesse vivo, Stanley Kubrick teria completado 90 anos no dia 26 de julho. Muito já se falou sobre este gênio do cinema e seu legado mas, talvez, poucos tenham feito paralelo entre a carreira do artista e o mercado corporativo. Em termos gerais, uma das grandes questões de recursos humanos é definir que tipo de executivo contratar: generalista ou especialista? Kubrick parece ter a resposta.

O diretor filmou apenas 13 longas-metragens, sendo que pelo menos sete de seus filmes se tornaram obras-primas reconhecidas e plenamente aceitas no meio artístico. Outras películas, no todo ou em parte, também se destacaram como pérolas cinematográficas. O mais instigante, de fato, é a variação de gênero que o cineasta vivenciou na profissão. Em Dr. Fantástico, fez comédia de humor negro. Spartacus, épico. 2001, expandiu o alcance da ficção. Uma odisseia no espaço! Com O Iluminado, intensificou o horror psicológico. Explorou a guerra em Nascido para Matar. Refinou a história policial em O Grande Golpe. É como se um executivo de marketing percoresse segmentos tão distintos como a indústria bélica, o comércio exterior, a inteligência artificial, hotelaria, recrutamento e seleção, loterias etc. Sempre com resultados bem acima da média.

Kubrick abordou diversos gêneros do cinema
assim como um executivo generalista atua em
diferentes segmentos de mercado.

E não é apenas na diversidade de estilos que Kubrick foi um generalista. Nos sets de filmagens atuava em outras frentes – fotografia, roteiro, efeitos especiais, montagem e produção. Também participava da direção de arte, da cenografia e da sonorização, com controle absoluto, embora os créditos fossem associados a outros profissionais atentos à sua batuta. Estudo conduzido por pesquisadores da Columbia Business School e da Tulane University com 400 executivos confirmou a vantagem daqueles que trazem um repertório mais amplo e eclético, com experiências diversas, tendendo a assumir posições de liderança mais rapidamente. No jargão do RH, Kubrick tinha habilidades multifuncionais (cross-functional skills).

Outra pesquisa, encomendada pela Microsoft e realizada pela International Data Corporation – IDC, empresa global de inteligência de mercado e consultoria, após avaliar 76 milhões de vagas de empregos, cravou que as oportunidades mais promissoras de ascensão profissional entre 2016 e 2024 exigirão competências multifuncionais em detrimento de habilidades técnicas e específicas, mesmo em áreas como TI, direito e saúde. A consultoria ainda apontou que nas 10 principais habilidades do profissional do futuro estão a orientação para o detalhe (detail oriented). O generalista não é um “superficialista”.

Relatórios de importantes universidades e
empresas americanas apontam as
competências multifuncionais como
habilidades essenciais do profissional do
futuro.

Mais uma vez Kubrick corresponde. Como um cientista de dados que cruza estatísticas, amostras e informações diversas do negócio para orientar estratégias mercadológicas, o cineasta americano ficou conhecido por seu perfeccionismo. Nas filmagens de 2001: Uma Odisseia no Espaço, desenvolveu a centrífuga que simulava os movimentos e efeitos de gravidade zero em uma estação espacial, muito similares ao que acontece na Estação Espacial Internacional construída 30 anos depois. O clássico que completou 50 anos este ano e que está sendo homenageado pelo Museu da Imagem e do Som – MIS em São Paulo, recebeu o Oscar de efeitos especiais. Para gravar Barry Lyndon, filme de época com locações na Inglaterra, encontrou na NASA a lente que permitiria a filmagem sob à luz de velas, com resultados estéticos jamais vistos e ainda não superados. A obra é uma referência estilística, inspirada em quadros do século XVIII, e transposta para as telas de cinema com rara beleza. Em O Iluminado utilizou os recursos da recém-inventada steadicam para obter planos-sequências fascinantes como nas cenas dos corredores e no labirinto do hotel Overlook.

Sempre na vanguarda da tecnologia, Kubrick
já abordava a inteligencia artificial, com o
computador HAL 9000, muito antes da
massificação deste conceito.

O reconhecimento pela gestão de atores é outro diferencial. Ao gravar inúmeras tomadas até a perfeição, Kubrick extraiu atuações icônicas de Peter Sellers, Sue Lyon, Malcolm McDowell, Jack Nicholson, Shelley Duvall e R. Lee Ermey. O desejo de trabalhar com o mestre fez o casal Tom Cruise e Nicole Kidman, o mais cobiçado na década de 90, dedicar-se exclusivamente ao filme De Olhos Bem Fechados, rejeitando qualquer outra oferta durante as gravações.

O ponto máximo da meticulosidade de Kubrick, no entanto, foi o projeto Napoleão. Embora não tenha sido viabilizado por limitações orçamentárias, o trabalho de pré-produção é considerado o mais perfeito já realizado. O livro Napoleon: The Greatest Movie Never Made (editora Taschen), sem tradução em português, de Alison Castle, revela o envolvimento do diretor na intensa pesquisa das locações, cenários, figurinos, elenco, cronologia dos fatos, textos históricos, cinematografia e no desenvolvimento dos argumentos e do roteiro para fundamentação da obra, o que gerou conteúdo e uma base de dados com aproximadamente 17 mil imagens relacionadas à era napoleônica. A intenção do filme, inacabado, fez a fama do diretor, completo.

Como um cientista de dados, Kubrick reuniu
conteúdo e 17 mil imagens para filmar a vida
de Napoleão Bonaparte.

A diversidade é um conceito poderoso e para profissionais generalistas, o conhecimento humano, em qualquer substância, forma ou amplitude é matéria-prima. Soma-se liberdade criativa e ousadia e tem-se o ambiente perfeito para o desenvolvimento de novos produtos, serviços e soluções nos negócios. O relatório da IDC ainda traz que a criatividade (creativity), também compõe o perfil do futuro executivo. Kubrick buscou nas outras artes elementos para enriquecer a sua própria. Escreveu seus filmes a partir da literatura de Nabokov, Clarke, Burgess, Thackeray, King, Schnitzler; orquestrou suas tramas com Strauss (Johann e Richard), Beethoven, Schubert, Haendel, Penderecki, Liszt, Ligeti; inspirou-se nas pinturas de Gainsborough, Reynolds, Chardin, Watteau, Chadowiecki para estabelecer o virtuosismo estético definitivo na sétima arte. Ganhou o reconhecimento dos estúdios, em especial da Warner Bros., que lhe conferia autonomia em troca do prestígio do diretor.

Kubrick buscou na diversidade de outras artes
elementos para enriquecer a sua própria.
Literatura, música e pintura abrilhantaram
a sua obra.

Conquistou a independência. Cativou o público. Impressionou a crítica. Generalista!





https://www.linkedin.com/pulse/generalista-ou-especialista-kubrick-parece-ter-resposta-rodrigo-costa

Escrever um comentário (0 Comentários)

10 posições de TI mais difíceis de serem preenchidas

Dos profissionais de segurança cibernética aos engenheiros de DevOps, o relatório 2018 State of the CIO revela quais funções de TI continuam com demanda bem superior à oferta.

Melissa Person-Ashforth

CEO da Melissa International

"Encontrar e reter talentos de TI exige que as organizações pensem fora da caixa e se concentrem menos em encontrar a contratação perfeita e mais em manter os candidatos e funcionários atuais engajados, motivados e ansiosos para aprender novas habilidades. Para mim, claro, é sobre encontrar as habilidades certas, mas também saber que tratar bem meus funcionários, compensando-os e recompensando-os, significa que mantê-los felizes."

O relatório State of the do CIO de 2018 concluiu que, após anos de discórdia, a TI e as áreas de negócio estão finalmente aprendendo a trabalhar juntas para conduzir iniciativas estratégicas e atingir metas compartilhadas. Para fazer isso, é claro, as organizações precisam de talento em TI - mas alguns papéis são mais difíceis de preencher do que outros.

Os trabalhos relacionados à tecnologia de ponta, como Inteligência Artificial, Machine Learning e Realidade Virtual são tão especializa dos que os programas educacionais não conseguem acompanhar as demandas de pipeline, enquanto outros, como nuvem, desenvolvimento de aplicativos e software corporativo, simplesmente têm demanda excessiva.

Encontrar e reter talentos de TI exige que as organizações pensem fora da caixa e se concentrem menos em encontrar a contratação perfeita e mais em manter os candidatos e funcionários atuais engajados, motivados e ansiosos para aprender novas habilidades, diz Melissa Person-Ashforth, CEO da Melissa International.

"Para mim, claro, é sobre encontrar as habilidades certas, mas também saber que tratar bem meus funcionários, compensando-os e recompensando-os, significa que mantê-los felizes", diz Ashforth. “Todos fazendo um esforço conjunto para ir além, aprender mais e adquirir novas habilidades.”

A cultura também é uma peça importante do quebra-cabeça, diz Sherri Douville, CEO da Medigram, uma startup em rápido crescimento. Douville diz que a cultura é a chave para garantir que ela possa atrair, contratar e reter as pessoas certas. “Não temos um grande problema em contratar para funções de TI, mas nossa cultura é uma grande parte disso. Não estamos tentando transformar ou mudar uma cultura existente, o que pode dificultar nas empresas existentes e tradicionais”, diz ela.

O salário, é claro, ainda está no topo da lista de atratividade dos candidatos, e a contratação para qualquer função de TI exige acompanhar as taxas do mercado. Mas concentrar-se em benefícios, vantagens e cultura pode ajudá-lo a atrair, contratar e reter até mesmo para os papéis de TI mais difíceis de preencher.

Com base no relatório de 2018 sobre o estado do CIO, aqui estão os 10 principais empregos de TI mais difíceis para os empregadores preencherem, para que você saiba onde gastar esforços extras ao contratar.

1. Gerenciamento de segurança/risco

Mais de um terço (39%) dos entrevistados afirmam esperar dificuldades em encontrar as qualificações adequadas para preencher cargos de segurança e gerenciamento de risco, de acordo com nossa pesquisa. “As proteções de segurança cibernética devem ser sua prioridade número 1, sempre”, diz Person-Ashforth. “Muitas vezes vemos clientes evitando isso até que tenham uma brecha, o que é um erro”.

Além disso, conforme regulamentações como o GDPR entram em vigor, essa área, que já apresenta escassez de talentos, passa a ser uma das prioridades mais importantes para os departamentos de TI.

2. Inteligência de Negócios (BI) e Análise de Dados

Trinta e seis por cento dos entrevistados dizem que o preenchimento de funções de Business Intelligence e Analytics continua difícil. Saber como coletar, processar, analisar e atuar sobre as vastas quantidades de inteligência de negócios e dados que fluem para as empresas a cada ano é uma área estratégica crucial; e um grande diferencial competitivo em uma economia digital.

3. Integração na nuvem

Vinte e um por cento dos entrevistados dizem esperar dificuldades para preencher as funções de integração na nuvem. E à medida que mais organizações mudam de implantações locais para as implantações em nuvem, a necessidade de talentos de integração na nuvem continuará a crescer. Seja integrando com sistemas legados ou migrando entre provedores de nuvem, é um conjunto de habilidades críticas em TI.

4. Desenvolvimento de aplicativos

Seja no desenvolvimento de aplicativos para uso corporativo interno para promover objetivos de negócios ou no desenvolvimento de aplicativos para clientes externos, essa área é outra função crítica de TI que enfrenta escassez de talentos qualificados. Algumas organizações estão se voltando para o desenvolvimento de códigos para ajudar a aliviar a pressão; 20% dos entrevistados disseram que terão problemas para preencher as funções de desenvolvimento de aplicativos.

5. Software empresarial (ERP, CRM)

Para grandes empresas, as soluções de ERP e CRM são necessárias para garantir eficiência, permanecer dentro dos orçamentos e, é claro, comunicar-se efetivamente com os clientes, e 19% dos entrevistados dizem que terão dificuldade em preencher as funções de software corporativo. “Essa área é especialmente importante para nós, já que estamos usando o Salesforce para gerenciar e medir a eficácia das campanhas, além das plataformas de Marketing Digital de próxima geração”, diz Person-Ashworth.

6. Inteligência Artificial (IA)

Há um grande burburinho em torno da IA ​​ultimamente, especialmente em como ela pode ajudar as empresas a serem mais eficientes e as maneiras pelas quais ela afetará ou eliminará certas funções. Talento habilidoso para a construção, monitoramento e manutenção de IA estará em alta demanda à medida que esta tecnologia evoluir e amadurecer. Atualmente, 18% dos entrevistados antecipam que as funções de IA serão difíceis de preencher.

7. DevOps / Processos Ágeis

Hoje em dia, toda empresa é uma empresa de TI, e a grande maioria está envolvida em algum tipo de desenvolvimento de software para realizar seus negócios, seja sua única missão operacional ou apenas alavancando software para aprimorar sua linha principal de negócios. DevOps e Agile são metodologias que tornam mais fácil e rápido criar e implantar software, mantendo uma aderência próxima aos requisitos do cliente e do usuário final em todas as etapas de desenvolvimento. Dezessete por cento dos entrevistados dizem que será difícil preencher os papéis DevOps/Agile.

8. Internet das Coisas (IoT - dispositivos conectados, sensores)

Dezesseis por cento dos entrevistados dizem que terão dificuldade em preencher papéis relacionados à Internet das Coisas (IoT), incluindo papéis que envolvem a construção, programação, monitoramento e manutenção de dispositivos conectados, sensores e tudo o mais que envolve IoT.

9. Arquitetura Corporativa

As regras de transformação e disrupção digital no mundo da tecnologia atual e a arquitetura corporativa podem ajudar de forma proativa e holística na resposta de uma empresa a essas forças, identificando a estrutura e a estratégia existentes da empresa e planejando como direcioná-la melhor. Essas funções são críticas para qualquer empresa voltada para o futuro que queira permanecer líder de mercado, mas 16% dos entrevistados dizem que terão dificuldade para preencher as funções de arquitetura corporativa.

10. Serviços em nuvem

Seja público ou privado, os serviços em nuvem permitem acesso onipresente a pools de compartilhamento de recursos configuráveis ​​e personalizáveis ​​oferecidos aos clientes pela Internet. Com cada vez mais organizações acessando um ou mais serviços em nuvem, a demanda por talentos com experiência no fornecimento, solução de problemas e gerenciamento de serviços em nuvem está aumentando. Atualmente, 16% dos entrevistados dizem que terão dificuldades para preencher os papéis relacionados aos serviços na nuvem. Fonte:http://cio.com.br/gestao/

 

Escrever um comentário (0 Comentários)

Como 'Simpsons' consegue prever o futuro da tecnologia e do mundo?

Simpsons previu Trump presidente em 2000

Viagem no tempo, coincidência, análise de Big Data... Muitas as razões são especuladas como brincadeira para a série no ar há décadas continuar surpreendendo seus telespectadores com previsões que pareciam inimagináveis.

William Edwards Deming

"Em Deus nós confiamos; todos os outros devem trazer dados."

"In God we trust; all others must bring data."

A lista de vezes em que "Os Simpsons" previram o futuro da tecnologia e da sociedade em geral é extensa. Volta e meia vemos casos do tipo – já rolou com a eleição de Donald Trump, com smartwatches, correções automáticas no celular... Mas como o desenho consegue acertar tanto?

Viagem no tempo, coincidência, análise de Big Data... Muitas as razões são especuladas como brincadeira para a série no ar há décadas continuar surpreendendo seus telespectadores com previsões que pareciam inimagináveis.

O site Mic conversou com ex-executivo dos Simpsons, um estatístico e um professor de matemática para tentar entender o que está por trás de tantos acertos. E as razões são mais mundanas do que você imagina.

1 - É tudo questão de quantidade

Episódio futurístico de 1995 tem Lisa falando com sua mãe por um telefone que continha uma tela de vídeo em tempo real
A série "Os Simpsons" está no ar desde 1989. São mais de 600 episódios já mostrados na TV. Em cada episódio, há uma quantidade enorme de piadas. Deu pra entender, né? Quanto mais conteúdo, mais chance de pelo alguma das cenas retratadas em certos episódios estar certa.

"Nós fizemos um zilhão de episódios de televisão, então são muitas oportunidades para fazer previsões. Não acho que alguém fale das previsões que os Simpsons erraram, mas a lista é muito mais longa do que as coisas que foram certas", apontou ao site Daniel Chun, ex-executivo do seriado.

O número de previsões da série realmente não é baixo. Matt Zaremsky, professor assistente de matemática da Universidade de Albany, estima que o desenho fez mais de 120 mil piadas em suas 29 temporadas, levando como base uma média de 8,54 por minuto nas primeiras 12 temporadas. À conta, são adicionadas mais de 1.200 "previsões explícitas sobre o futuro".

"Dos episódios baseados no futuro, estimo em 500 no total as previsões. Dos outros episódios regulares, estimo uma por episódio, o que daria 624 (até a realização da entrevista)", aponta.

De todas as previsões, muitos citam como 20 o número de previsões acertadas, apesar de que o número pode e deve ser maior. Se forem consideradas 20 entre 1.224, a porcentagem de sucesso é de 1,6%.

Com 20 previsões acertadas entre 1.224, a porcentagem de sucesso é de 1,6%

Matt Zaremsky

"As estatísticas dizem que os Simpsons tiveram tantas piadas e previsões que essencialmente tiveram apenas sorte."

2 - O que é uma previsão?

Simpsons e uma espécie de Apple Watch em 1995
Outro tema levantado pelo site é que as pessoas são generosas com a palavra "previsão". Muitos artigos e vídeos são feitos sobre as profecias dos Simpsons, mas essas visões do futuro não são necessariamente chocantes ou específicas do seriado. Um exemplo citado é que o celular no pulso (que lembra os atuais smartwatches) em um episódio de 95 não é tão original.

"O exemplo é que o Simpsons tinha algo que parecia um Apple Watch. Bom, um dispositivo de comunicações no pulso remonta a até Dick Tracy (tira de quadrinhos que estreou em 1931) e os recursos do Apple Watch não vão ser exatamente os mesmos que os Simpsons tinham no relógio. Você tem que dizer se isso é uma previsão ou não", opina Gary Simon, professor aposentado de estatística da New York University Stern School of Business.

3 – O estilo da série

Chapéu com câmera em episódio de 1994 lembra muito as câmeras GoPro
Pelos Simpsons serem um cartoon, os roteiristas podem colocar no seriado qualquer celebridade da vida real nos episódios que quiserem – como ocorreu com Donald Trump em 2000. Os roteiristas também podem criar previsões realísticas diferentes porque a série se passa em dias atuais muito parecidos com a nossa sociedade do presente.

Obviamente, um cartoon pode fazer muito mais previsões do que dramas da TV que se passam no passado, como Downton Abbey. Programas de comédia também são escritos de uma maneira que os espectadores consideram mais realista, segundo Chun. Muitos médicos consideram a comédia Scrubs mais realista da vida em um hospital do que o drama ER, de acordo com o ex-executivo.

"Quando escreve um drama, o roteirista normalmente tenta ter princípios e trata uma sociedade que realmente respeita a moral, onde todos são muito sérios e atuam com máxima integridade em todos os momentos", aponta.

É claro que nos últimos anos a família Simpsons ganhou um concorrente de peso para prever o futuro: a série de ficção Black Mirror, atualmente na Netflix, mas que tem como função exatamente prever uma sociedade futurística baseada em nossas tecnologias atuais.

4 – O cinismo dos roteiristas

Espécie de autocorretor apareceu em episódio de 1994 com um aparelho Newton da Apple
Uma parte das previsões acertadas do Simpsons também é associada ao estilo dos roteiristas. Eles são cínicos e retratam sua visão de mundo no seriado.

"Existe uma visão de mundo que os roteiristas dividem com alguns princípios básicos. Entre eles, de que as pessoas são gananciosas e que as corporações são terríveis e têm uma tendência de arruinar tudo. A corrupção é desenfreada e a sociedade como um todo tem a memória de um peixe", cita Chun, ex-executivo do seriado.

Alguma semelhança com a realidade? Bom, então enquanto a sociedade seguir desta maneira, os Simpsons continuarão acertando.

Fonte:
https://tecnologia.uol.com.br

Escrever um comentário (0 Comentários)

A Internet das Coisas (IoT) na prática - Desafios e Case de Sucesso

É bastante promissor observar que muitas empresas já estão evoluindo e colocando em prática os pilotos desenvolvidos nos últimos anos.

Em outubro de 2017, a segunda edição do IoT Snapshot, Um retrato da adoção e do potencial da internet das coisas no mercado brasileiro, revelou uma evolução bastante promissora em relação ao que o mercado espera da internet das coisas (IoT - Internet of Things) e o quanto essa tecnologia está sendo adotada pelas empresas. Para citar um exemplo, as organizações que estão investindo em IoT, em processo de adoção ou que pretendem adotar a tecnologia em 2018 já são mais de 60% dos respondentes.

Nos últimos anos, aconteceram muitos testes, protótipos, experimentações e aprendizados. Além disso, surgiram modelos de negócios diferentes, parcerias e o florescimento de um novo mercado. Mas em meio a esse ambiente de pioneirismo, observamos empresas que já começaram a se deparar com um novo conjunto de desafios: os projetos-piloto começaram a dar certo e é hora de fazer o roll-out – e agora

Abaixo, listo quatro fatores que surgiram na pauta dessas empresas que já se convenceram dos benefícios da internet das coisas e agora querem usá-la na prática:

1 - Mensuração dos benefícios frente aos investimentos

As iniciativas de inovação e os projetos de IoT vinham, e ainda vêm, muitas vezes, sendo desenvolvidos com investimentos e budgets direcionados à experimentação. Esse movimento também contava com uma boa parcela de patrocínio da indústria, que queria mostrar suas soluções e se posicionar no mercado.

Quando esses projetos ganham proporções de operação real, a conta muda de dimensão. O entendimento dos benefícios se torna uma questão crítica, uma vez que os investimentos passam a concorrer com orçamentos direcionados a outras prioridades da organização.

2 - Robustez financeira e técnico-operacional dos parceiros

Outra mudança de patamar que acontece nesse momento diz respeito aos players envolvidos nas iniciativas de IoT. Enquanto teste, PoC ou piloto, exige-se pouca robustez dos participantes envolvidos – até porque muitas das soluções demandadas não são desenvolvidas por grandes players, mas sim por start-ups focadas em nichos muito específicos de mercado.

Quando a empresa passa dos testes para tentativas de roll-out, entram em cena necessidades como solidez financeira, volume de produção, suporte operacional às soluções e outros requisitos que são muito menos atrativos, mas que não podem falhar em uma operação real. Equilibrar as especificidades das soluções com a necessidade de robustez para um ambiente operacional é um dos desafios de quem está amadurecendo.

3 - Maturidade das equipes quanto às novas tecnologias e processos

A identificação, desenvolvimento e retenção de profissionais capacitados e motivados sempre foi um desafio comum de qualquer gestor. Esta complexidade aumenta consideravelmente quando estamos tratando de temas que ainda não estão maduros.
Muitas empresas contam com alguns profissionais de referência, que têm conseguido acompanhar essas inovações, mas têm dificuldade em construir equipes que possibilitem a concretização dos projetos. Contar com profissionais capacitados (e em constante aprimoramento) foi e, provavelmente, continuará sendo um tema relevante para os gestores de tecnologia.

4 - Segurança da informação, continuidade de negócios e governança – gestão de riscos

É sabido que, com a IoT, a quantidade de dispositivos conectados se multiplica e cada um deles pode se tornar um ponto de vulnerabilidade no ambiente tecnológico das empresas. Mas mesmo que este fato seja de conhecimento geral, o tema de segurança ainda não aparece de maneira voluntária como um elemento essencial na arquitetura de IoT. Isso ficou comprovado no IoT Snapshot 2017 – quando provocados, os respondentes concordaram que esse é um tema crítico, mas foi um dos menos citados de maneira voluntária.

Além disso, com as soluções de internet das coisas, a tecnologia passa a integrar elos da cadeia que usualmente contavam com pouco suporte tecnológico. Com isso, o escopo de continuidade de negócios tende a se ampliar de maneira significativa. A cobertura da tecnologia se amplia e, proporcionalmente, a necessidade de uma gestão de riscos relacionados à segurança e à continuidade das operações.

De qualquer forma, é bastante promissor observar que muitas empresas já estão evoluindo e colocando em prática os pilotos desenvolvidos nos últimos anos. O que eram promessas e apostas começam a se concretizar como uma realidade tangível. Mas a IoT, na prática, traz à tona novos desafios, que não são mais de experimentação, mas sim de operação, resiliência e confiabilidade. Por isso, é necessário manter o espírito jovem e a mente ainda mais aberta às novidades, mas amadurecer e ganhar robustez para se encaixar no ambiente real de operações.

Carros e caminhões da Volvo vão compartilhar alertas de trânsito

A Volvo decidu se unir na busca de um trânsito mais seguro e anunciou que seus veículos vão compartilhar em tempo real as informações recolhidas por suas tecnologias de alertas de trânsito.

Com isso, quando o pisca-alerta de um carro equipado com o sistema Hazard Light Alert for acionado, um alerta será enviado tanto para outros carros equipados com a tecnologia quanto para caminhões da Volvo Trucks que possuem sistema semelhante. O mesmo acontecerá caso o motorista de um desses caminhões ligue o pisca-alerta de seu veículo.

A partir da informação de que há automóveis diminuindo a velocidade ou completamente parados adiante, os motoristas poderão tomar atitudes que reduzem a chance de acidentes, como ir mais devagar ou até alterar a rota.

Esta é a primeira vez que a Volvo Cars divide com outra empresa (apesar de ambas serem Volvo, as companhias pertencem a grupos diferentes) os dados compartilhados entre carros com o sistema Hazard Light Alert, que é item de série de diversos modelos da marca desde 2016.

De acordo com a vice-presidente do Centro de Segurança Volvo Cars, Malin Ekholm, a expectativa é de que novas colaborações ocorrem nesse sentido. “Quanto mais veículos temos compartilhando dados de segurança em tempo real, mais seguras se tornam nossas estradas. Estamos ansiosos para estabelecer novas colaborações com outros parceiros que compartilham nosso compromisso com a segurança no trânsito”, disse em comunicado à imprensa.

Por enquanto, a comunicação entre carros e caminhões acontecerá somente entre veículos vendidos na Suécia e na Noruega. Para garantir o cumprimento da Regulação Geral de Proteção de Dados da União Europeia, que entra em vigor no fim de maio, os dados serão anônimos e agregados.

Referências:
http://cio.com.br/opiniao/
https://www.tecmundo.com.br/mobilidade-urbana-smart-cities

Escrever um comentário (0 Comentários)

6 DICAS para fazer das METAS uma Estratégia de Vendas Vencedora

Estabelecer metas para cada vendedor é uma estratégia de vendas das mais usadas e consagradas na gestão comercial de uma empresa.

Estabelecer metas para cada vendedor é uma estratégia de vendas das mais usadas e consagradas na gestão comercial de uma empresa. Ao mesmo tempo em que incentiva os colaboradores a darem seu melhor para alcançar os objetivos, permite acompanhar, no decorrer dos meses, se o andamento do planejamento anual está conforme o previsto.

Mas, antes de avançarmos, é bom lembrar que as metas em si de pouco valem. O importante é saber como poderão ser batidas. E isso só pode ser feito com um plano que leve em conta:

  • Quantas vendas devem ser realizadas para alcançar o objetivo;
  • Como a base de clientes compõe essa expectativa;
  • Que melhorias nos processos comerciais podem ser realizados em relação ao período anterior;
  • Quais serão os principais desafios para que a meta seja cumprida.

São questões que não podem ser ignoradas, até para que o vendedor saiba claramente quais são as etapas necessárias para conquistar o objetivo. Você já deve ter testemunhado como metas aparentemente impossíveis desanimam um funcionário em vez de motivá-lo. Por isso, o primeiro passo é o mais importante:

1 – Estabeleça metas de forma inteligente

Para isso, é preciso recolher informações de mercado, e plataformas de geomarketing são soluções com essa finalidade. Esse tipo de tecnologia tem melhorado o trabalho da gestão comercial em muitos setores de atividade. Por meio de uma rica variedade de fontes, como IBGE, Ministério do Trabalho, Receita Federal, MEC, IPC Marketing, Dados Abertos, portais de transparência, entre muitos outros, os profissionais têm acesso fácil a informações valiosas. E tudo em poucos cliques.

Imagine uma indústria alimentícia que comercialize seus produtos principalmente para supermercados, de tamanhos diversos. Ao mapear pontos de interesse por meio do geomarketing, é possível visualizar a quantidade de potenciais clientes e a localização de cada um, bem como traçar variáveis de acordo com o porte de cada empreendimento.

O geomarketing e o mapeamento de territórios dá também transparência ao processo para o vendedor que consegue enxergar com clareza sua zona de atuação.

2 – Ajuste as metas quando circunstâncias mudarem

É importante ter em mente, contudo, que o mercado é dinâmico, tanto para o bem quanto para o mal. A instabilidade econômica vivida no Brasil, principalmente entre os anos de 2014 e 2016, fez com que muitas metas, antes plenamente compatíveis, se tornassem imbatíveis. Não rever a estratégia de vendas em uma situação dessas é dar murro em ponta de faca, pois vai colocar sobre as costas do vendedor toda uma conjuntura que foge do controle dele.

Em momentos como esse, a inteligência geográfica de mercado pode apoiar o ajuste de metas e até mesmo do território dos vendedores. Analisando dados atualizados mês a mês sobre determinadas regiões, é possível detectar mercados com maior e menor potencial para as vendas. Afinal, distribuir vendedores em locais estratégicos aumentam o poder comercial e a visibilidade dos seus produtos.

3 – Faça uma justa divisão das oportunidades entre os vendedores

De maneira nenhuma quero dizer que todos precisam ter metas iguais. Um novo integrante do time normalmente recebe objetivos menos ousados, enquanto os mais experientes têm a chance de levar uma comissão maior para casa. Mas tanto um quanto o outro têm que estar em iguais condições para bater a meta.

Para realizar esse balanceamento de territórios de venda, uma plataforma de geomarketing também é muito útil. A visão espacial da área de atuação facilita uma divisão justa das oportunidades entre os vendedores. Isso acontece quando a estratégia é estabelecida por meio de critérios geográficos, analisando o potencial de cada território.

Uma fábrica de sapatos, por exemplo, que tenha como clientes lojas especializadas no interior de São Paulo, por falta de informação ou comodidade, deixa um vendedor responsável pela região de São Carlos e outro pela região de Ribeirão Preto. Mas, certamente, esses territórios não oferecem o mesmo número de oportunidades.

É aí que a inteligência geográfica pode ajudar o seu negócio, pois você consegue distribuir de uma melhor forma seus vendedores em regiões estratégicas de atuação.

4 – Faça pequenos ajustes nas metas sempre que necessário

Mesmo para quem cerca-se de toda informação de mercado possível, estabelecer metas é um trabalho que precisa ser feito com cuidado e atenção. Porém, tendo o seu objetivo de longo prazo definido, fica mais fácil definir os de curto prazo e, possivelmente, ajustá-los quando for preciso. Além do mais, essa é uma medida eficaz para que seu time comercial melhore a cada dia.

As metas menores, sejam elas diárias, semanais ou até mesmo mensais, devem ser encaradas como pequenos passos, um por um, que vão levar sua equipe de vendas ao topo, em algum momento no futuro. Com isso, o acompanhamento fica mais assertivo e você poderá fazer ajustes continuamente para atingir o resultado final.

Para que essas adaptações sejam direcionadas a cada membro do time, solicite relatórios frequentes e individuais sobre o resultado do trabalho em campo. Dessa forma, a gestão pode orientar pontualmente sobre acertos e erros e corrigir qualquer desvio.

5 – Tenha a sua Solução Analítica como parceira indispensável

Para dar visibilidade e transparência aos dados da insituição, uma solução de Inteligência Empresarial (Business Intelligence) será peça chave para que todos tenham a visão dos indicadores e metas, diariamente, pela internet, em relatórios e dashboards interativos, com vastos filtros e totalizadores. Existem várias alternativas, das mais simplistas às mais absurdas, chegando a custar verdadeiras fortunas sem entregar uma contrapartida à altura.

Uma Solução de Apoio à Decisão não precisa custar milhões de dólares tampouco exigir a venda casada de equipamentos, treinamentos, consultorias e serviços. Pelo contrário, com software livre e custo zero em licenças, pode-se atingir resultados excelentes e sustentáveis utilizando o equipamento já existente, com qualquer sistema operacional do mercado, podendo ser acessado desde celulares e computadores até mesmo em grandes painéis televisores. Isso tudo com toda a segurança e liberdade de quem tem todo o código fonte em seu poder. Em caso de dúvidas, procure sempre por especialistas.

6 – Valorize as metas batidas

Enquanto servem de ferramenta para que a gestão comercial faça o acompanhamento da performance de sua equipe, as metas são como promessas para os vendedores - alguma coisa boa acontecerá se elas forem cumpridas.

Incentivar a disputa entre os integrantes do time é, em muitos casos, uma maneira de melhorar o desempenho. Mas a valorização de um trabalho bem feito independe de competição. É uma virtude do gestor demonstrar reconhecimento a quem merece.

Uma pesquisa do International Stress Management Association realizada em 2015 com profissionais de São Paulo e do Rio Grande do Sul indicou que 89% dos respondentes sofre de estresse por falta de reconhecimento no trabalho. E, muitas vezes, isso vai além de comissões ou bônus.

Acredite: enaltecer a competência de um vendedor perante a equipe pode ser ainda mais gratificante do que simplesmente a recompensa monetária.




adaptado de blog.geofusion.com.br 

Escrever um comentário (0 Comentários)